Notícias


Safra gaúcha pode ter redução de 8,7%

Publicada em 11-10-2010


O Rio Grande do Sul deverá registrar uma redução de 6,9% a 8,7% na safra 2010/2011. A projeção, que faz parte do primeiro levantamento da Conab divulgado nesta quinta-feira (7), leva em conta uma colheita estimada na faixa de 22.825,6 mil toneladas a 23.261,8, e uma área plantada entre 7.320,3 mil a 7.451,70 mil ha, queda entre 0,4% e 1,4%.

O cenário, que ainda depende do clima, é agravado pela baixa projeção de produtividade no cultivo de milho (-16,4%) e da soja (-18,3%). A área do milho ainda deve cair entre 0,5% e 3%, considerando-se que o cultivo atinja de 1.116,5 mil ha e 1.145,2 mil ha. Na produção, a expectativa é de queda ainda mais expressiva, entre 18,9% e 16,8%. A soma deve ficar entre 4.538,6 mil t e 4.655,2 mil t, enquanto no ano passado foi de 5.593,9 mil t. De acordo com o gerente de desenvolvimento e suporte estratégico da Conab/RS, Ernesto Irgang, a desistência em relação ao milho está atrelada à cotação da soja.

No feijão, a queda de 2% na área plantada na primeira safra, que deve ficar entre 78,5 mil ha e 80,1 mil ha, deve ser compensada pela produtividade, o que tende a resultar em uma colheita de 0,5% e 2,5% maior. Por outro lado, o bom momento da cotação da soja deve garantir para a oleaginosa área de 4.016 mil ha a 4.095,5 mil ha. A projeção é de alta de 1% a 3% em relação à área da safra passada, que atingiu 3.976,2 mil ha.

Outra cultura que deverá apresentar aumento é o arroz, que deve ter área de 2% a 4% maior que em 2009/2010, quando somou 1.089,6 mil ha. Para a nova safra, a projeção é de 1.101,2 mil ha a 1.122,8 mil ha. Irgang destaca que o fato de as barragens e mananciais estarem com volume suficiente para atender ao desenvolvimento do grão aliado ao clima favorável para a cultura estimularam o plantio.

Com relação à safra brasileira, a Conab projeta variação de área entre 47,32 milhões de hectares (-0,1%) e 47,99 milhões de ha (+1,3%). Segundo o diretor de Política Agrícola e Informações Conab, Silvio Porto, se o clima for semelhante ao da última safra, pode-se se dizer que 150 milhões de toneladas até 151 milhões de t são bastante plausíveis de se obter.

Fonte: Correio do Povo