Notícias


Recorde agropecuário

Publicada em 18-07-2007


Setor lidera expansão no primeiro semestre de 2007

A criação de empregos com carteira assinada no primeiro semestre atingiu o recorde histórico para o período, com mais de 1 milhão (1.095.503) de contratações a mais do que demissões, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), divulgado ontem. Os postos de trabalho formais em junho atingiram o patamar, também recorde, de 28,76 milhões, o que é 3,96% mais do que o total no fim do ano passado, que foi de 27,66 milhões.

O maior crescimento no número de empregos com carteira assinada por setores no primeiro semestre ocorreu na agropecuária, com expansão de 16,55%. Nesse segmento, houve 238,43 mil mais contratações do que dispensas, sendo 66,31 mil delas no mês de junho. O número é "significativamente superior", segundo o Ministério do Trabalho, ao recorde anterior para o mesmo período no setor, que era de 216,43 mil postos em 2004.

Em termos absolutos, porém, o maior número de novos postos de trabalho no primeiro semestre se deu no setor de serviços. Do total de 1,095 milhão de postos formais (aumento de 3,96% sobre dezembro) criados de janeiro a junho, o segmento - que inclui atividades como limpeza, segurança e alimentação - contribuiu com 327,56 mil empregos (mais 2,95% sobre dezembro). Desses, 38,53 mil foram no mês passado.

Nos últimos cinco anos, o setor de serviços teve trajetória ascendente no número de empresas existentes no Brasil - acompanhado, conseqüentemente, do crescimento no número de empregos. Segundo dados do Sebrae, o setor de serviços foi o que mais cresceu em novas empresas: o salto foi de 28% em cinco anos, contra 21% do comércio e 12,9% da indústria.

O maior crescimento por estados foi em São Paulo, onde foram criadas 65,48 mil novas vagas no mês passado, aumentando em 0,69% o emprego formal no estado, que foi seguido por Minas Gerais, com 46,08 novas contratações. Só dois estados tiveram redução no total de vagas formais: Espírito Santo (- 3.276) e Rio Grande do Sul (-1.132).

RANKING - Após o setor de serviços, a indústria de transformação foi a segunda colocada em criação de empregos no semestre: criou 299,50 mil novas vagas formais nos primeiro seis meses do ano (aumento de 4,62% em relação a dezembro de 2006). O comércio, terceiro colocado, criou 97.051 (aumento de 1,57%).

Fonte: Agência do Estado