Notícias


Soja: área da safra 2008/09 aumentou em 417,4 mil hectares - conab

Publicada em 08-06-2009


Esse incremento ocorreu basicamente nos principais estados produtores, como Mato Grosso, Goiás e Paraná, à exceção do Rio Grande do Sul, que reduziu sua área cultivada com soja em 0,3%.
Apesar das expectativas iniciais de redução, devido ao custo de produção mais elevado no início da safra, a apresentação de uma melhor expectativa de mercado dessa comoditie aliado ao atraso no início do período de chuvas, fizeram com que os produtores dessas regiões optassem pelo plantio da soja em áreas de algodão e milho.

Durante todo o desenvolvimento da cultura, houve períodos de estiagem, afetando com diferentes graus de severidade, que variavam em função da quantidade de dias de estiagem e da fase de desenvolvimento da cultura em cada região.

O Paraná e Mato Grosso do Sul, foram os estados mais castigados comparativamente a safras anteriores, reduzindo consideravelmente as médias produtivas. Estiagens ocorridas no final do ano passado castigaram a soja de ciclo precoce, e abril deste ano afetaram as lavouras de ciclo tardio em fases sensíveis do desenvolvimento, derrubando consideravelmente a produtividade média.

A colheita já está finalizada nestas regiões produtoras, com rendimentos um pouco abaixo das médias obtidas na safra passada. A média de produtividade na atual temporada está 6,6% menor do que a apresentada no ciclo anterior. No Mato Grosso e Goiás a redução da produtividade se deve à diminuição do uso de fertilizantes e às irregularidades climáticas pontuais que ocorreram em algumas regiões. Já no Paraná, onde o rendimento caiu de 2.991 kg/ha para 2.337 kg/ha, além da diminuição do uso do pacote tecnológico, o clima foi o grande responsável por essa queda.

O resultado dessas variações de área e rendimento é uma produção de 57,1 milhões de toneladas, 4,8% ou 2,88 milhões de toneladas a menos que no ciclo anterior, sendo 2,2 milhões no Centro-Sul, e cerca de 712 mil toneladas na região Norte/Nordeste.

Na produção total, a região Centro-Sul participa com 90,22%, ou 51,5 milhões de toneladas, e a região Norte e Nordeste, com 9,78% ou 5,6 milhões de toneladas. Com a produção estimada em 57,1 milhões de toneladas,representando uma queda de 4,8% em relação a safra anterior. Com isso, o quadro de oferta e demanda brasileira passa a apresentar uma posição bem ajustada, particularmente, quanto ao nível dos estoques finais que deve representar uma redução de 37,1% em relação à safra 2007/08.

Este cenário (baixo nível dos estoques finais) aliados aos fatores positivos no mercado internacional como: a) quebra da safra de soja da Argentina; b) uma demanda externa acima das expectativas iniciais do mercado, principalmente por parte da China e; c) baixos estoques americanos, criam as condições favoráveis para a ampliação das exportações brasileiras, que devem apresentar um aumento de 2% (500,0 mil t) passando para 25,0 milhões de t.

Neste sentido, a comercialização da safra segue em ritmo mais acelerado; aproximadamente 65% da produção já foi comercializada, frente a uma média dos últimos 5 anos de 58%. Quanto aos preços, estes vêm se mantendo firmes de modo geral, com oscilações dependendo da praça. Na semana de 25 a 29 de maio, os preços ao nível de produtor na praça de Sorriso-MT, fecharam a semana em torno de R$ 41,02/60 kg, enquanto em Cascavel foi negociado na faixa de R$ 49,40/60 kg. No atacado, os preços situaram-se no patamar de R$ 46,40/60 kg em Rondonópolis e R$ 53,20/60 kg em Paranaguá.

Fonte: Último Segundo