Notícias


Preços da soja mantêm-se extremamente firmes no mercado externo

Publicada em 09-04-2009


O prolongamento das chuvas continua prejudicando o avanço das colheitas brasileiras. De outro lado, o mercado aguarda ansiosamente números oficiais sobre a safra argentina. Nos últimos dias, aumentaram consideravelmente as especulações em torno de uma colheita no país vizinho abaixo de 40 milhões de toneladas, contra 46,2 milhões de toneladas em 2008.

Para o Brasil, a Conab divulgou nessa terça-feira (07) um novo relatório de safra, reajustando a projeção deste ano de 57,6 para 58,1 milhões de toneladas, contra 60 milhões de toneladas no ano passado. Com tudo isso, os dois primeiros vencimentos em Chicago (maio e julho de 2009) voltaram a testar a barreira de US$ 10/bushel, nessa terça-feira, mas novamente perdendo fôlego no final do pregão. A cautela dos operadores frente à possibilidade de mais uma safra recorde neste ano nos Estados Unidos (EUA), por enquanto, intensifica as realizações de lucros. Assim, o contrato de maio de 2009, o qual atingiu a máxima de US$ 10,05/bushel durante o dia, fechou o pregão a US$ 9,89/bushel (-0,5%), ainda assim expressando um quadro de preços extremamente firme.

Ressalta-se que a cautela continua também prevalecendo no mercado financeiro global, apesar das altas nas principais Bolsas internacionais nos últimos dias. Com isso, simultaneamente, o petróleo em Nova York vai tendo dificuldades em se manter acima de US$ 50/barril, face à gravidade da crise financeira e econômica especialmente nos EUA e Europa. Assim como em Chicago, o câmbio doméstico também oscilou muito pouco nessa terça-feira, próximo de R$ 2,22/dólar, ainda demonstrando tendência de valorização.

Mas o prêmio de exportação melhorou no dia, com a soja em Paranaguá atingindo R$ 49,20/saca (+0,4%). Na BM&F o contrato de maio de 2009 oscila ao redor de US$ 22,38/saca (Paranaguá), absorvendo um prêmio próximo de US$ 10/tonelada sobre Chicago. Diante disso, os preços nas regiões produtoras mantêm-se também extremamente firmes. Em Goiás, o dia foi de leve alta, com a referência oscilando mais comumente entre R$ 41 a 43/saca (bruto).

Fonte: Cisoja