Notícias


Produção foi planejada para preços mais altos

Publicada em 13-08-2008


A acentuada baixa do preço das commodities "vem num momento delicado", afirma Cesário Ramalho, presidente da Sociedade Rural Brasileira, ao se referir à proximidade do plantio da nova safra de verão. "Se esse recuo persistir, arrisca inviabilizar a agricultura", diz.

Segundo a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a safra 2007/08 chegou ao recorde de 143,7 milhões de toneladas, 9,1% maior em relação à temporada anterior. A meta do governo é que a próximo ano agrícola alcance 150 milhões de toneladas, aumento de 4,4%.

Para Carlo Lovatelli, presidente da Abag (Associação Brasileira de Agribusiness) e diretor do grupo Bunge, o recuo das cotações é pontual. Mesmo que as cotações não retomem os patamares recordes de alguns meses atrás, tendem a permanecer elevadas. Os preços subiram muito depressa e agora há um ajuste, avalia.

A surpresa com a intensidade da queda das cotações das commodities abre espaço para que os agricultores trabalhem "de forma defensiva", embora os fundamentos do mercado ainda sejam altistas -os estoques permanecem baixos apesar das previsões otimistas para a safra americana. A avaliação é de César Borges de Sousa, vice-presidente do Conselho de Administração da Caramuru Alimentos.
O receio de que os preços não evoluam a contento embute o risco de que se plante menos do que o esperado e se economize em tecnologia, com aplicação de menos fertilizantes e produtos para o manejo das lavouras.

"Todo mundo falava que os preços eram firmes", diz Borges de Sousa, que também preside a Câmara de Milho e Sorgo. Agora, o recuo no preço futuro do barril do petróleo alimenta a valorização do dólar, e os fundos de investimento debandam da Bolsa de Chicago, onde buscavam refúgio em contratos agrícolas contra o derretimento da moeda norte-americana.

Proteção financeira

Para Borges de Sousa, as indústrias de alimentos têm de se proteger no mercado financeiro. A estratégia da Caramuru usa simplicidade para organizar bem o hedge. Quando compra matéria-prima de agricultores, vende contratos em Chicago. E quando vende ao cliente final, compra na Bolsa norte-americana. Sempre administrando os volumes, para evitar despesas excessivas com o pagamento de margens.

A instabilidade do preço dos grãos interfere no planejamento de outros setores. "Não é bom. Não se sabe quanto o produto vai valer em seis meses", diz Marcos Jank, presidente da Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar). As projeções de exportações brasileiras de álcool aos EUA dispararam para o patamar de 5 bilhões de litros após o bushel do milho ter alcançado valor recorde próximo de US$ 8 em Chicago. O preço subiu pela perspectiva de produção menor nos EUA, com implicações na produção do biocombustível. Agora, com o bushel em torno de US$ 5 e previsão de safra maior nos EUA, o setor de agroenergia do Brasil tem de acompanhar o mercado com atenção em dobro.


Folha de São Paulo

Autor: Gitânio Fortes