Notícias


Reativação de moinho fomentará triticultura em Mato Grosso

Publicada em 25-06-2008


Com capacidade para se tornar um dos principais produtores de trigo do Brasil, mesmo com as condições climáticas diferenciadas, Mato Grosso busca alternativas para fomentar a cadeia da triticultura. Entre elas, a reativação de um único moinho no Estado, em Cuiabá, desativado há três anos por falta de matéria-prima.

O pesquisador da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Hortêncio Paro, ligado ainda à Câmara Técnica da Secretaria de Agricultura, diz que a retomada nas operações seria fundamental para fortalecer a economia bem como agregar valor a produção local.

Ele explica que a câmara vêm discutindo com produtores a reabertura do moinho, cuja capacidade seria moer entre 100 a 120 toneladas/dia do cereal. “Estamos trabalhando para que o proprietário e produtores assinem um termo de compromisso, com objetivo de uni-los para construir uma parceria”, declarou ao Só Notícias/Agronotícias.

“O moinho operou durante três anos, mas foi desativado pela dificuldade em se trazer matéria-prima da Argentina. Há ainda uma fábrica de macarrão que parou de funcionar quando o moinho não mais trabalhava”, acrescentou.

A partir dos próximos meses, reuniões devem ser realizadas nos municípios para levar a mensagem aos agricultores. Paro explica que Mato Grosso tem informações técnicas suficientes para produzir a cultura, mas precisa enfrentar os gargalos. “Sem o moinho nossa produção não ocorre”, acrescentou.

A Empaer finaliza o levantamento da área plantada em Mato Grosso, tanto de sequeiro como irrigada. Entretanto, deve constatar uma considerável diminuição nas lavouras do cereal. Ano passado, de acordo com o órgão, foram destinados cultivados entre 450 a 500 hectares.

No Brasil, de acordo com o levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção de trigo na atual safra é de 3,82 milhões de toneladas, superior à safra anterior, em 71,2% (1.590,3 mil toneladas). O incremento deve-se à recuperação da produtividade, já que na safra anterior essa cultura foi bastante castigada com a estiagem, geadas e o com excesso de chuva na colheita.

Fonte: Só Notícias