Notícias


Manejo e controle de ferrugem sofrem mudanças para próxima safra

Publicada em 17-06-2008


Produtor rural e equipe terão de dar mais atenção ao manejo e controle da doença que mais tira seu sono: a ferrugem asiática. Pois resultados de pesquisas da safra 2007/2008 indicam queda de eficiência dos fungicidas do grupo dos triazóis, em especial dos produtos a base de tebuconazole, no controle a doença.

Especialistas agrícolas estão orientando produtores e técnicos para darem preferência ao uso de combinações de princípios ativos com modos de ação diferente a base de estrobilurinas com triazóis, a fim de garantir a eficiência do controle. De acordo com eles, esta recomendação servirá também para minimizar riscos e chances de problemas referentes ao controle da ferrugem asiática da soja na próxima safra (2008/2009).

Segundo os pesquisadores a mistura de triazóis e estrobilurinas é a principal estratégia para minimizar a seleção de populações resistentes do fungo.

Além da verificação da perda de eficácia dos triazóis de maneira geral e do tebuconazole em especial, o fungo causador da ferrugem da soja, Phakopsora pachyrhizi, tem se comportado de maneira diferente a cada safra. “Desta forma é difícil prever o comportamento de todos os triazóis na próxima safra”, revela Fabiano Siqueri, pesquisador da Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso, Fundação MT.

Para garantir o controle da doença que já causou prejuízos de US$ 10 bilhões no Brasil, pesquisadores recomendam ainda, além da utilização de combinações de triazóis com estrobilurinas, o emprego de outras ferramentas para ter o controle preciso da doença.

Respeito ao vazio sanitário, uso de variedades com os menores ciclos possíveis, eliminação da soja guaxa na entressafra, rotação de ingredientes ativos e de cultura são medidas que visam reduzir os riscos de perdas por ferrugem e também o número de pulverizações necessárias. “É preciso fazer monitoramento efetivo e aplicação preventiva. As ferramentas de manejo devem ser utilizadas corretamente para potencializar a ação dos fungicidas”, informa Siqueri.

Para o pesquisador, todas as recomendações, desde planejar a lavoura até a colheita dos resultados de produção, devem ser levados em consideração. “Não há fórmula pronta. Cada safra tem sido diferente quanto à incidência da ferrugem. Por isso é importante que todas as estratégias de manejo recomendadas sejam aplicadas”.

Estas avaliações e recomendações estão sendo apresentadas para produtores rurais de todo o estado de Mato Grosso no Fundação MT em Campo: É Hora de Plantar Soja 2008, realizado pela Fundação MT e Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso, Aprosoja. A abertura ocorreu em Sinop e outras cidades estão inclusas nos debates.

Fonte: Só Notícias