Notícias


Brasil pode suprir demanda externa de alimentos

Publicada em 30-04-2008


SÃO PAULO - O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, afirmou nesta quarta-feira (30)que o Brasil tem condições de aumentar sua produção agrícola para abastecer o mercado interno e para suprir a demanda externa por alimentos. Ele lembrou que o consumo interno é crescente e que o Brasil é o país que mais gera excedentes de produtos agrícolas para exportação.

Além disso, Stephanes lembrou que os brasileiros têm capacidade para produzir energia limpa, como o biocombustível.

Diante do cenário externo de aumento dos preços de alimentos, o ministro disse que as perspectivas são "extraordinárias". "O mundo que antes era de oferta passou a ser de demanda. O cenário é favorável para o país, que tem condições de dar resposta para a demanda por alimentos", afirmou.

Segundo ele, o Brasil é eficiente porque tem condições climáticas favoráveis, solo adequado para cultivar agricultura e tecnologia agropecuária. Durante o discurso, o ministro Stephanes lembrou que o Brasil é um país extraordinário, que vive um momento positivo na economia e também na agricultura.

Imigração

Além disso, o ministro disse que uma grande vantagem foi a imigração para o país. As pessoas que chegaram ao Brasil eram dedicadas e capacitadas para produção agrícola. "A riqueza da imigração fez a diferença em termos de agricultura", disse.

O ministro participa, esta manhã, do lançamento da quarta edição especial dos melhores cafés do Brasil. O tema do evento é uma homenagem aos 100 anos da imigração japonesa no Brasil e por isso o ministro fez a citação aos imigrantes.

Café

O presidente da Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia, disse, durante seu discurso, que a Câmara vai trabalhar para aprimorar a legislação que trata da cafeicultora, mas não deu mais detalhes sobre o assunto.

Segundo dados da Associação brasileira da Indústria de café (Abic), os primeiros lotes de café brasileiro foram embarcados para o Japão em 1908, somando 600 sacas. Hoje, o Japão é o quarto maior importador de café do Brasil e compra 2 milhões de sacas por ano.

Fonte: Diário do Comércio