Notícias


Abelhas silvestres estão mais ativas neste ano

Publicada em 14-04-2008


A atividade das abelhas pode ter sido maior no último período de primavera e verão. Segundo a Associação Paranaense de Apicultores (APA), foram realizadas, em média, 70 a 80 remoções diárias em todo o Estado no período de outubro de 2007 a fevereiro deste ano, um aumento que oscilou entre 10% e 20% em relação aos mesmos meses da temporada passada. Os bombeiros também tiveram trabalho. Todos os dias, pelo menos um caso de remoção de colméia ou enxame foi realizado na Grande Curitiba deste a primavera passada.

Não há estudo sobre o tema, mas na prática os produtores de mel perceberam que as abelhas estivéram mais ativas. Uma das hipóteses, o clima mais propício, já que os últimos invernos não foram tão rigorosos. O calor deixa as abelhas mais agitadas e agressivas.
 
No mês de abril, os atendimentos já diminuiram bastante. Estão por volta de 8 a 10 atendimentos por dia. Em Curitiba e região trabalham atualmente cerca de 3.500 apicultores, num total de 49 mil no Estado.

Com a maior atividade fica mais fácil também o contato das abelhas com os seres humanos. Seja porque os homens invadem o meio rural e as matas, seja porque elas são empurradas para os centros urbanos atrás de alimento. Em qualquer uma destas situações, a mão do homem é importante nesta ação.

As abelhas criadas pelos apicultores são as chamadas africanizadas, que são poliíbridos, resultantes dos cruzamentos entre abelhas africanas e das raças européias. Não há mais raças africanas ou européias puras no Brasil. Normalmente não são agressivas, mas se provocadas podem atacar homens e animais.

No Paraná são vários os registros de casos de ataques neste último verão. Uma mulher teria morrido em outubro do ano passado depois de ser picada por dezenas de abelhas em Carlópolis, no Norte Pioneiro do Estado. Em Maringá, um enxame provocou correria no começo deste ano, deixando pelo menos 15 pessoas com picadas. As abelhas formaram uma colméia no forro de uma residência. As abelhas africanas tinham a tendência de serem mais agressivas, mas também produziam mais mel que as européias.

Fonte: Bem Paraná