Notícias


Trigo pode roubar área do milho no Paraná

Publicada em 27-03-2008


Pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, destacam que, neste ano, o trigo pode ser mais rentável que o milho safrinha no oeste do Paraná. Isso significa que produtores podem ampliar a área de trigo em detrimento do milho na safra de inverno, o que ajudaria a aliviar a oferta bastante restrita do cereal no mercado interno (veja abaixo informações sobre preços).

De acordo com os cálculos do Cepea, cada Real investido na cultura do trigo pode resultar em R$ 1,40, o que representaria um retorno líquido de 40% sobre o investimento. No caso do milho, para cada Real investido, o retorno seria de R$ 1,18, com 18% de rentabilidade líquida. O custo operacional (desembolso) do trigo foi estimado em R$ 24,97/sc, o que resulta numa rentabilidade de R$ 858,11/ha. No caso do milho, o custo operacional seria de R$ 17,70/sc, com rentabilidade de R$ 440,00/ha.

Tal análise leva em conta os preços médios do trigo e do milho apurados pelo Centro entre os dias 2 de janeiro e 20 de março deste ano no oeste do Paraná (R$ 34,86/sc de 60 kg e R$ 20,81/sc, respectivamente), a produtividade média dos últimos três anos (36 sacas por hectare para o trigo e 58 sacas por hectare para o milho) e, para os custos de produção, tanto do trigo quanto do milho, foram considerados os preços de insumos e fertilizantes da primeira quinzena de março.

Os consecutivos recordes de preços do trigo no mercado doméstico têm sido resultado da oferta restrita, ligada à dificuldade de adquirir o produto argentino e ao maior custo de compra do produto do Hemisfério Norte (Estados Unidos e Canadá). Na Argentina, o governo optou por adiar novamente registros de exportação, previstos, até então, para serem normalizados em 8 de abril. A suspensão dos embarques daquele país, iniciada em novembro de 2007, no entanto, permanecerá até 21 de abril. Com isso, a procura dos moinhos brasileiros, principalmente de pequeno e médio portes, passa a ser intesificada pelo trigo nacional.

Os grandes volumes de trigo que chegaram ao Brasil nos últimos dois meses, partindo da Argentina, dão um alívio de curto prazo. Segundo a Conab, entre agosto de 2007 e julho de 2008, o Brasil deve consumir 10,3 milhões de toneladas de trigo. Desse total, 3,8 milhões de toneladas vêm da produção doméstica e 6,5 milhões, de importações. Entre agosto de 2007 e fevereiro de 2008, o Brasil importou 4,12 milhões de toneladas de trigo em grão, além de outras 440,2 mil toneladas de farinha de trigo. Mesmo assim, ainda serão necessárias pelo menos 2 milhões de toneladas para equilibrar oferta e demanda interna até início da colheita da safra 2008/09.

Preços – Levantamentos diários do Cepea mostram que os preços médios do trigo brando PH 78 no mercado de balcão (ao produtor), entre as regiões do estado do Rio Grande do Sul, nesta semana, são de R$ 31,13/sc de Passo Fundo e de R$ 30,90/sc em Ijuí. Para o Paraná, as médias do trigo tipo pão PH 78, também ao produtor, são de R$ 39,37/sc na região oeste, de R$ 40,05 no norte e de R$ 37,99/sc no sudoeste. Na média do RS, esses preços são 32,3% maiores que os praticados no mesmo período do ano passado; no PR, a valorização ultrapassa os 60%

Fonte : Cepea