Notícias


Soja será a cultura mais rentável na safra 2007/08

Publicada em 11-10-2007


A soja volta a brilhar nas lavouras brasileiras. Depois de perder para o milho o status de maior rentabilidade na safra passada, a oleaginosa retoma a posição de liderança, com margens brutas acima das registradas na última colheita. Mas o milho, impulsionado pelas exportações, também terá rentabilidade superior à registrada na colheita 2006/07. Entre as principais lavouras, a menor margem ocorre com o algodão. Ainda assim, em todas a margem será positiva, segundo levantamento exclusivo feito pela AgraFNP. As projeções de preços mais elevados explicam o ganho dos produtores, apesar do aumento dos custos em algumas culturas.


O estudo da consultoria mostra que os produtores de transgênico serão os maiores beneficiados. A diferença de margem entre a lavoura tradicional e a geneticamente modificada passa de 350%, no caso do algodão no Oeste Baiano. "Os custos de produção do transgênico são menores e as produtividades mais elevadas", explica Fábio Turquino Barros, analista da AgraFNP, referindo-se ao caso baiano. Naquela região, o algodão convencional dará margem de 3%, enquanto o geneticamente modificado renderá 14%.


O estudo mostra também que os produtores de estados com melhor logística ganham mais que os outros. De acordo com a projeção da AgraFNP, o sojicultor do Paraná terá uma margem bruta de 41% para a lavoura convencional e 47% para a transgênica. No ano passado, as rentabilidades eram de 35% e 44%, respectivamente. Em Mato Grosso, o ganho é de 30% para a lavoura tradicional e 34% para a geneticamente modificada. Segundo Barros, em média, os custos estão próximos aos do plantio passado - pois houve aumento em alguns insumos, mas a retração do dólar reduziu os preços de outros. A estimativa é de aumento no custo de 6% para a soja convencional e 1,4% para a transgênica.


A mesma diferença entre regiões ocorre no milho. Para o grão as projeções da consultoria foram feitas para o Paraná e Goiás. Mais uma vez o estado sulista ganha em margem sobre os demais. A rentabilidade média da lavoura paranaense será de 38% - ante a 36% em 2006. Em Goiás, a margem se mantém em 22%. "A diferença pequena entre a soja e o milho no Paraná se deve aos preços internos excepcionais do grão", diz Barros. Segundo ele, a rentabilidade do cereal só não é maior porque os custos subiram em média 10% - mais que na oleaginosa.


O analista explica que as cotações internacionais dos dois produtos estão mais altas, influenciando no mercado interno. Segundo ele, a quebra da safra de trigo na Europa, que demandou mais milho, e a redução da safra e dos estoques de soja nos Estados Unidos explicam os patamares mais elevados.


Para o algodão a AgraFNP projeta rentabilidades de 3% e 13% na Bahia e Mato Grosso, respectivamente, em lavouras convencionais, e 14% e 22% para as transgênicas. Os elevados estoques da fibra explicam a diferença da rentabilidade na comparação com o milho e a soja.


As margens vão influenciar no plantio. Segundo a consultoria, a soja terá incremento de área de 7% enquanto o milho, 4,5% e o algodão, 2,5%. A empresa estima que possa haver perda de produtividade devido ao fenômeno La Niña. Todas as estimativas pressupõem o emprego de alta tecnologia nas lavouras.


Fonte: Folha MT